quarta-feira, 29 de abril de 2009

Eu pensei...

e pensei e cheguei a seguinte conclusão:



A C&A não gosta do Ronaldo (entenda-se gordo!).

Pois é. Você por acaso em algum momento da sua vida, mesmo que seja uma lembrança remota, já tentou vestir uma roupa da loja supra citada? Aposto que se decepcionou com o fato de não ter nada acima de 44. Se esse for seu caso e se por um breve momento vislumbrou tal cena deve ter ficado estarrecido com o fato de não caber no seu lindo corpinho. Eu fico revoltada. Já passei da fase do estarrecimento ¬¬.

Pense, a mulher brasileira é conhecida pelas suas formas voluptuosas, não pela falta de tudo. Não somos magras (eu pelo menos não sou). E quando chego perto da arara fico muito p$%&*da vida com a numeração que encontro.

Num país onde Mulher Melância, Priscila do BBB e Boing Boing, são tidas como gatas, será que não é estranho essa loja vender só manequins miudos?

Lingirie é outra coisa que me entristece. Tem cada peça linda *-*, mas claro que não tem pra mim (só porque sou acima da média).

Não sou modelo da Victória Secrets e não tenho a menor intenção de ser uma (embora tenha uma beleza ímpar e estonteante XD, tá eu sei, não é pra tanto). Não sou a favor dos ditames da moda. Gosto do meu corpo (as vezes nem tanto) e sou feliz assim, não acho justo isso.
Queria muito saber onde a Mulher Samanbaia compra seu jeans? Onde as turbinadas compram seus sutiens? Aposto que não é lá!
Antes que alguém atire a primeira pedra, não pretendo emagrecer para caber nas roupas de lá, mas acredito na diversidade e no respeito a ela. A partir do momento em que há algum tipo de restrição a determinado recurso (nesse caso entenda-se as roupas) em detrimento a alguma característica física, acaba por ferir o indivíduo, criando uma pessoa passível de ficar deprimido (confesso que sempre me ocorre, chego até chorar!).
Se pudesse pedir algo nesse instante, pediria pela paz mundial!
(aposto que pensaram que eu ia dizer que queria que eles comercializassem tamanhos grandes)
Assim, fica aqui o desabafo de uma mulher naturalmente brasileira, com suas curvas ou não, sem a menor pretensão de entrar para estatísca das neuróticas por dietas e futuras bulímicas.

sábado, 25 de abril de 2009

Nascemos com um GPS...

para compras!

Sim, nós mulheres nascemos com um GPS para compras. Ninguém melhor que nós sabe andar em um shopping center. Temos um senso de direção único, por mais que andemos não nos perdemos lá dentro e mesmo que o caos esteja instaurado temos a paciência de procurar por algo que nos agrade e esteja na promoção.
Amamos promoções. No meu caso me sinto uma cretina, porque pego tudo e depois separo no caixa. Desconcertante, mas é mais forte que eu.
Sem contar que "batemos perna" como malucas no shopping. Que atire a primeira pedra aquela que nunca foi pra ficar fazendo nada, dando voltinhas e ao final tomar um sorvetinho?
Sim, somos loucas por um centro comercial!
Está em nosso DNA.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Comportamento...

admirável.

Estou muito orgulhosa da minha pessoa.
Ontem quando voltava do meu serviço, cansada e com uma dor de cabeça infernenta, sentou-se ao meu lado uma criatura do pântano, aquelas bem lodosas saca!?, com um salgadinho bem fedido e eu com uma fome que só por Deus. Até aí, nada demais. O problema foi quando a infeliz resolveu ouvir todos os toques do celular dela. E vou te dizer, não existe coisa mais irritante. Ela ouviu desde o tradicional TRIMTRIM até funk. E não acabava mais nunca minha gente. Ai que derrota. Vou dizer que fiquei arrasada. Quando a figura em questão terminou de ouvir todos os toques eu levantei as mãos (levantei mesmo) e disse: Obrigado Deus! Só que ela arrumou um pagode e pois se a ouvir! Ai que tristeza. E eu rezando pra bateria acabar e nada. Quando faltava uma estação pra eu descer, a desgrenida deligou a droga do celular e ficou ali, como se nada tivesse acontecido. Pura mentira! Ela acabou com meu retorno pra casa! A minha vontade era pegar o celular e jogar vagão a fora. Mas como disse inicialmente, tive um comportamento admirável e fiquei em silêncio. Aguentei tudinho. Claro que dei uma bufadinha de leve e tals... mas de resto bem fiquei quieta.
Fico bem feliz por ter conseguido controlar minha falta de doçura. Quem sabe no dia a dia também possa melhorar...

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Amigos...

são as coisinhas mais cuti cuti que Deus nos deu!

Sim, sim! Criaturinhas maravilhosas, que trazem luz pro nosso dia a dia e nos fazem feliz pelo simples fato de realizar sua troca gasosa habitual.
Sou muito abençoada com os que tenho.
A gente se desentende as vezes, ficamos bicudinhos, nos chateamos, mas são tão essenciais que só de pensar que podem vir a faltar sinto um aperto no peito.
São tão especiais, essas pessoinhas, que apenas com um olhar nos entendemos. E por muitas vezes um gesto já basta pra demonstrar todo o amor e carinho que temos um pelo outro.
Amigos, são como o sol, aquecem o coração e trazem luz para iluminar os cantinhos da alma que ficam escurecidos pelo cansaço e tristezas diários. São a janela de um mundo único, onde podemos vislumbrar algo de bom e ter esperanças.
Ter amigos é como ter uma nova família. Onde encontramos novos pais, irmãos, tios, avós. É a família que escolhemos e qual temos um vínculo que vai além do sangue, além dos genes. Unidos pelas idéias, pela fé, pelo amor, por ideais, por música, por desinteresse em comum.
Amigos verdadeiros são raros e especiais e conservá-los é uma arte que deve ser praticada. São amuletos únicos, multicoloridos e multifacetados.
Ter amigos é não estar só num dia de tempestade, num congestionamento em um dia quente, ir ao cinema sozinho...
Amigos não levamos junto ao corpo, levamos nos olhos e no coração!
Obrigado a todos aqueles que em momentos difíceis me ouviram (e como ouviram), me pegaram no colo, secaram minhas lágrimas (foram tantas), puxaram minha orelha, oraram comigo e por mim.

Sim, estou emotiva. Sim, tenho amigos maravilhosos. Sim, morram de inveja. Sim!